Como a LGPD vai impactar os pequenos negócios e como fazer adequação?

 A LGPD – lei de dados é aplicável aos pequenos negócios e ao terceiro setor.

Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) estabelece diretrizes importantes e obrigatórias para o tratamento de dados pessoais (Coleta, processamento, armazenamento e compartilhamento de dados).

As regras da LGPD estão em consonância com a GDPR, legislação da União Europeia com o mesmo objetivo, em razão de tratado internacionais para adequação de normas.  

A LGPD entrou em vigor em agosto de 2020 afetando de pequenos negócios a gigantes multinacionais. Todas as empresas, pessoas jurídicas e pessoas naturais estão sujeitas à LGPD, inclusive o Terceiro setor como Igrejas, ONGs, fundações, cooperativas; e pequenos negócios como MEI.

Deixar de observar a LGPD – LEI Nº 13.709/18, pode custar caro, enquanto sua adequação não custará o tanto.  A Legislação responde uma demanda social em respostas às fraudes e crimes oriundos dos avanços tecnológicos informáticos. Más é bom ficar atento, porque a LGPD se aplica a dados eletrônicos/digitais, e também a documentos físicos.

Principais objetivos da LGPD

A LGPD tem como objetivo:

>> Assegurar o direito à privacidade e à proteção de dados pessoais dos usuários, por meio de práticas transparentes e seguras, garantindo direitos fundamentais.

>> Estabelecer regras claras sobre o tratamento de dados pessoais.

>> Fortalecer a segurança das relações jurídicas e a confiança do titular no tratamento de dados pessoais, garantindo a livre iniciativa, a livre concorrência e a defesa das relações comerciais e de consumo.

>> Promover a concorrência e a livre atividade econômica, inclusive com portabilidade de dados, e a exclusão quando solicitado pelo titular.

Como a LGPD vai impactar seu negócio?

03 grandes impactos que vai afetar diariamente os processos internos da empresa:

 No relacionamento e na comunicação com o cliente:

Fica previamente proibido coletar, solicitar e exigir dados de clientes sem a necessidades deles. Não pode condicionar descontos em troca de informações, exigir documentos sem a necessidade legal ou justificável e deixar de informar claramente o cliente ou titular dos dados.

Todos os atos devem ser transparentes e exige a adequação das informações e dos meios com as quais elas são fornecidas. Por isso é preciso construir a sua política de proteção e segurança de dados de forma clara e concisa. A linguagem precisa estar acessível para que qualquer leitor possa compreender.

Na estrutura instrumental e pessoal:

Será preciso criar uma estrutura física que garante a segurança e privacidade dos dados e evitar o vazamento dos mesmos. É preciso treinar todos os funcionários, fornecedores, parceiro e demais envolvidos no negócio. Isso impacta em software de segurança (Antivírus, por exemplo), no potencial de respostas das máquinas (computadores e servidores, por exemplo), nos arquivamentos de documentos físicos, no conteúdo e profissionalização de funcionários, etc. Talvez você precise desprender um pouco de recurso para tornar a proteção desses dados efetiva e para tornar a sua base de dados segura de modo que não haja violação.

 Impacto nos custos financeiros e humanos:

Para se adequar as normas da LGPD, você vai ter custos. Estes custos dependerão do qual sensível e volumosos são os dados tratados. Os custos de adequação na verdade são investimentos em governança e conformidade (#Compliance), e tem como resultado evitar os riscos dos custos com multas e indenizações. Por outro lado, as pessoas envolvidas no negócio terão mais responsabilidades, e consequentemente mais exigências. Por isso é muito importante que elas entendam diariamente a importância de seguir os protocolos de tratamentos de dados estabelecidos na empresa, enquanto saiba lidar com as exigências dos clientes, fiscais e fornecedores.

Porque é necessário e vantajoso se adequar a LGPD.

Violar ou deixar de observar a Legislação de dados vai implicar em penalidades. Além das multas, haverá custos com indenizações, custas judiciais e administrativas, com advogados, prepostos, e os custos da readequação para a empresa voltar a funcionar, além dos prejuízos pelo tempo que ficar interditada. Por isso, é mais vantajoso investir em proteção de dados do que arriscar uma eventual finalidade.

Na contrapartida, a LGPD foi uma exigência social, incluindo empresas. Tornou-se, portanto, requisitos para considerar se uma empresa é ou não confiável. Isso significa que enquanto não estiver em conformidade com a LGPD, sua empresa pode ser sabotada por clientes, fornecedores e compradores.  Ressalta-se também, que fornecedores não pretendem correr os riscos com compradores que descumpre a Lei.

Conclusões sobre a LGPD para pequenos negócios

Contrate um advogado do ramo do Direito da Informação/Direito Digital e peça mais detalhes dos procedimentos para adequar a #LGPD. Tenha em mente que somente o #advogado pode representar judicial e administrativamente, e pautar as melhores práticas. No entanto, se o contratado não for do segmento jurídico, terás que eventualmente contratar duas vezes, por empresas diferentes.


Como a LGPD vai impactar os pequenos negócios e como fazer adequação?


#DireitodaInformação #LEI13.709/18 #direitodigital #advogadodireitodigital #advogadoleidedados advogadoLGPD #LGPDpequenosnegócios #LGPDONGs, #LGPDfundações, #LGPDcooperativas #LGPDMEI #LGPDAssociações